ESTRELA DA SAÚDE

FUTEBOL CLUBE

São Paulo F.C.,
a solução
dos problemas.

"O Estrela deveria ter vida própria. É um clube muito antigo, talvez o mais antigo, que merece respeito por tudo que já passou", conta o presidente Geraldo Delapino.

Delapino se refere à falta de condição e verba que o time vinha enfrentando nos últimos anos. "Não tínhamos dinheiro pra nada. O clube estava numa situação muito difícil, com uma dívida de R$300 mil reais em impostos atrasados. Foi então, que depois de muito pensar, reunir diretoria e discutir bastante, vimos que não haveria outra saída, senão fazer uma parceria com o São Paulo F.C. Se não fosse isso, o Estrela não existiria mais".

Emocionado, Delapino conta como tudo ocorreu: "Levei até o nosso clube o Fernando Casal Del Rey, então presidente do São Paulo. Disse a ele que não pediria emprego à minha família, não queria vantagens pessoais, não corrompia, não era corrompido e não falava em dinheiro. Disse que precisava apenas negociar uma sociedade. Consegui".

Geraldo Delapino.

A negociação com o tricolor não foi fácil e demorou dois anos e meio para se concretizar. "Sei que só consegui trazer o São Paulo, pela minha simplicidade e desprendimento".

O clube do Morumbi assumiu a dívida do Estrela e ainda as equipes infantil, juvenil e júnior. Os jogadores dessas categorias de base também lhes pertencem. "O Estrela é uma espécie de vestibular para os atletas. Nós os preparamos e os melhores são aproveitados pelo São Paulo". De acordo com a negociação, o São Paulo ainda se responsabiliza em profissionalizar o time. Em troca, o Estrela da Saúde cede-lhes, como comodato, 80 mil m² do seu terreno.

"A área onde se encontra nosso clube de campo está próxima a uma região que enfrenta muitos problemas. Conseguimos

Juraci Santana, diretor de futebol.
junto ao São Paulo, instalar um batalhão da Polícia Militar com 180 homens que fará um patrulhamento nas vilas e vamos trazer para cá um centro de saúde. Isso me orgulha muito, pois além se sermos um time de futebol, levamos melhorias à sociedade", diz o presidente, com lágrimas nos olhos.

Uniformes do time da Saúde.


Os benefícios não param por aí. Para o futuro, Delapino quer integrar a comunidade aos clubes parceiros. "O policial vai trabalhar junto à comunidade, sentindo os seus problemas para poder ajudá-los. Vamos também oferecer cursos de computação na nossa sede".

"As pessoas fazem mau juízo da periferia. Aqui há muito mais alegrias do que num bairro desenvolvido, onde vizinhos nem se conhecem. Nos relacionamos com pessoas humildes, mas sinceras".

"Nada cai do céu. Você tem que lutar e acreditar no seu sonho. Hoje estou muito feliz e agradeço ao São Paulo F.C pela minha felicidade".

Essa é uma história de amor. Mais uma entre as muitas que Memórias da Várzea está contando, numa série que revela o nosso passado.

Equipe que disputa a V Copa Kaiser/2000.